Rolou treta entre os fãs de Taylor Swift e Kim Kardashian no Instagram
6 de dezembro de 2017
Os destaques da programação do Theatro José de Alencar
6 de dezembro de 2017

Fazer uma lista com apenas dez filmes que marcaram 2017 é uma missão praticamente impossível. Isso porque este ano tivemos uma grande quantidade de excelentes estreias. Foram vários os filmes aclamados pela crítica e outros tantos aclamados pelos fãs. De roteiros originais, passando por musicais, filmes de suspense, adaptação de livros e mesmo live-actions, praticamente todos os gêneros cinematográficos desfilaram pelas telonas – e por que não telinhas, afinal, viva a Netflix! – este ano.

Mas mesmo com toda dificuldade, separamos uma singela lista com alguns desses filmes que marcaram 2017. Conseguimos fechar em dez, mas com a sensação de que ainda teve quem ficasse de fora. Confira, relembra, assista os que você não viu e adicione mais títulos à nossa lista nos comentários!

10 – La-La-Land: Cantando Estações


Abrimos a lista com uma agradável surpresa. O longa é de 2016, mas estreou no Brasil somente no começo deste ano. Trazendo de volta o glamour e o romantismo dos grandes musicais, o longa arrebatou corações de críticos e público. La-La-Land chegou à disputa do Oscar muito bem cotado, com uma impressionante quantidade de indicações: 14. Porém acabou arrebatando apenas seis estatuetas e foi personagem de um dos maiores micos da história da entrega do Oscar.

09 – Moonlight: Sob a Luz do Luar


Outro filme de 2016 que chegou ao Brasil apenas em 2017. A confusão durante a entrega do Oscar de Melhor Filme quase ofuscou a verdadeira beleza deste longa inesquecível. Para quem não lembra, o nome de La-La-Land foi anunciado mas, na verdade, no papel deveria estar escrito Moonlight. Erro corrigido, o elenco do filme foi lá receber seu merecido prêmio. Filmado em apenas 25 dias, com elenco formado quase integralmente por negros e latinos e com orçamento mínimo de cinco milhões de dólares, o longa retrata temas LGBTs e ainda discute o racismo. Impossível não se emocionar…

08 – A Bela e a Fera


Difícil pensar em um filme de princesa tradicional em pleno ano de 2017. Principalmente após a “primavera feminista”. Ainda mais com ninguém menos do que Emma Watson como protagonista. Pois bem, a atriz reinventou a história e deu um ar moderno e empoderado à jovem Bela. O longa acabou se tornando mais rentável do que o esperado e foi recebido com euforia pelo público.

07 – Logan


Um dos filmes mais esperados do ano, Logan conquistou elogios difíceis de serem direcionados a filmes baseados em histórias em quadrinhos. Hugh Jackman se despediu de forma magistral de seu icônico personagem. No longa, vemos um envelhecido e cansado Logan, que pode render ao filme premiações jamais imaginadas para um filme de ação “adolescente”. Aliás, Logan praticamente remodelou a receita deste tipo de filme, conferindo-lhe uma grande carga dramática com boas doses de violência, arrancando o rótulo de “filme para quem não quer pensar, só se divertir” do gênero.

06 – Mulher-Maravilha


Foram necessários mais de 70 anos para que Diana Prince, a Mulher-Maravilha, saísse dos quadrinhos e fosse protagonista nas telonas. Mas quando ela virou filme, foi simplesmente arrebatador. Os números de Mulher-Maravilha são impressionantes. E os créditos não se devem apenas à incrível Gal Gadot, que encarna a princesa amazona com perfeição. Patty Jenkins, diretora do longa, também conseguiu demarcar seu espaço e conquistar respeito em Hollywood – dominada pelo machismo. Ela se tornou a primeira mulher a dirigir um longa de orçamento de mais de 100 milhões de dólares. E, de acordo com as negociações para Mulher-Maravilha 2, em breve ela deve se tornar a cineasta mais bem paga do cinema…

05 – Corra!


Eis um longa que chegou timidamente, assim como quem não quer nada e conquistou a crítica. Ele é um dos poucos que atingiu o 99% na dura e famosa avaliação do Rotten Tomatoes, ou seja, praticamente perfeito. Misturando suspense, terror e humor, o longa dá um tapa na cara do racismo – e do espectador! Com uma história aparentemente banal – um negro vai conhecer a família da namorada branca e lá, conhece dois outros negros que trabalham para a família e tem um comportamento misterioso – o longa tira o fôlego do espectador.

04 – Okja


Um dos longas que polarizou o cinema mundial tinha que estar entre os filmes que marcaram 2017! Isso porque a produção original Netflix nunca chegou aos cinemas e foi premiado no festival de cinema de Cannes. Vários diretores acharam isso absurdo. Outros apoiaram a decisão, afinal, filme é filme, seja lá onde ele seja exibido. A polêmica foi tanta que acabou ofuscando um pouco o longa que traz uma história comovente sobre o futuro da humanidade, a indústria alimentícia e que traz personagens absurdamente envolventes.

03 – Bingo, o Rei das Manhãs


Seja por preconceito ou pelo que for, o fato é que o cinema nacional nem de longe é tão bem recebido pelo público brasileiro quanto os filmes estrangeiros. Mas com Bingo a coisa foi diferente. O longa foi tão bem recebido que acabou entrando na disputa para representar o Brasil no Oscar na corrida pelo prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Infelizmente ele não levou a vaga, mas a história de Arlindo Barreto – um dos atores que deu vida ao Palhaço Bozo – marcou o coração dos brasileiros.

02 – Mãe!


Conhecido por seus filmes densos (como Réquiem Para um Sonho Pi), Darren Aronofsky deu um ar mais pop às suas últimas produções: Cisne Negro e Noé. Porém em Mãe! ele parece ter voltado às origens. De difícil compreensão e com roteiro muito bem alinhado, o diretor conta com a ajuda de Jennifer Lawrence para contar uma história com diferentes interpretações. De reflexões religiosas à completamente ceticistas, várias foram as discussões em torno do filme, que ganhou aplausos e vaias. O longa não ganhou nenhum prêmio, não conquistou grandes bilheterias, mas passou muito tempo sendo visto, revisto, analisado e reanalisado pelo público, sites e blogs especializados. Ou seja: não saiu da boca do povo.

01 – Como Nossos Pais


Laís Bodanzky voltou aos cinemas mostrando a mesma força, dedicação e olhar aguçado com o qual havia conquistado o público em Bicho de Sete Cabeças. Neste outro longa, ela mostra de forma fiel a agonia de uma mulher pressionada por todos os lados para desempenhar bem todos os papéis que lhe cabem: o de mãe, de filha, de esposa e mais. Exibido no Festival de Berlim, o longa foi simplesmente aclamado pela crítica internacional.

Ai gente, ainda ficaram tantos filmes bons de fora dessa lista… Quem sabe até o fim do ano não voltamos com mais títulos? Para vocês, quais foram os filmes que marcaram 2017?

Fotos e vídeos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *