Ano legislativo começa em fevereiro, mas já são vários projetos na Câmara
11 de janeiro de 2017
Prefeitura divulga programação da VIII Mostra de Música Petrúcio Maia
12 de janeiro de 2017

Projeto de lei sobre indicação de agrotóxicos é proposta

Não é novidade para ninguém os riscos implicado ao uso intensivo de agrotóxicos em frutas e verduras. A preocupação com a saúde e a qualidade daquilo que ingerimos faz crescer, a cada dia, o consumo de produtos considerados orgânicos – ou seja, cultivados sem o uso de produtos químicos e/oi venenos.

E o deputado Audic Mota (PMDB) está propondo na Assembleia Legislativa um projeto de lei que obriga a indicação expressa sobre o uso de agrotóxicos nos produtos alimentares produzidos no Ceará – tanto naquela apresentada de forma natural, as minimamente processadas ou as industrializadas.

agrotoxicos2O parlamentar alega, justamente, que o uso de agrotóxicos é prejudicial à saúde não apenas dos consumidos, mas também dos agricultores que cultivam aqueles alimentos.  “Esses produtos são utilizados para controlar insetos fungos e outras plantas, que causam danos às plantações”, assinala o político que quer indicações nos rótulos com a inscrição “produzido com agrotóxicos”.

Vale lembrar que a rotulagem de alimentos no Brasil sofreu grandes avanços nos últimos tempos. Agora é obrigatório indicar itens como a presença de transgênicos, gorduras trans, presença de glúten, lactose e outros alergênicos , além da porcentagem porcentagem de suco e polpa de fruta contida em bebidas não alcoólicas vendidas no mercado.

O projeto de lei nº 104/2016 pode ser consultado aqui e já está em em tramitação na Assembleia Legislativa. O deputado lembra que o Brasil é considerado o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Segundo dados da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), em 2011, cada brasileiro ingeria, em média, 5,2 litros de agrotóxico por ano, número que chegou a 7,3 litros.

De acordo com o parlamentar, o objetivo do projeto é reafirmar o direito do consumidor na escolha dos produtos que servirão para seu alimento e de familiares. “A ideia é aperfeiçoar cada vez mais as atividades em campo (fiscalização) para dar qualidade ao trabalho a ser desenvolvido no nosso Estado”, afirma.

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *