Os 10 canais brasileiros mais vistos no Youtube!!!
27 de março de 2019
Saiba qual é o cachorro ideal de acordo com o seu signo!
27 de março de 2019

Por causa dos riscos a que mulheres com pressão alta, trombose ou histórico de trombose na família, epilepsia e enxaquecas estão propensas, o DIU, dispositivo intrauterino, está sendo procurado cada vez mais como método anticoncepcional. Sua ação acontece dentro do útero feminino e existem duas opções de dispositivos, o de cobre e o hormonal (SIU).

Os preços do método de contracepção variam entre R$ 100 reais (o DIU de cobre) e R$ 600 a 800 reais (o DIU hormonal) e a boa notícia é que as duas opções estão disponíveis para as brasileiras, pode comemorar!

A equipe do Pátio Hype percebeu que as leitoras estão cada vez mais interessadas em entender sobre esse anticoncepcional, por isso aqui está um guia completo sobre o DIU, com as respostas que você sempre quis saber. Ficou curiosa? É só conferir abaixo!

1.Como funcionam?

A função principal do DIU é interferir na maneira como os espermatozoides atuam no útero. Eles bloqueiam a passagem deles até o óvulo e sua fertilização, impedindo também o desenvolvimento do óvulo fecundado na parede uterina. Especificamente o DIU de cobre age causando uma espécie de “inflamação” no endométrio, tecido interno do útero, por meio de íons que são liberados dentro do órgão, impossibilitando a ação dos espermatozoides, enquanto o DIU hormonal ou SIU libera uma pequena quantidade do hormônio progesterona, afinando o endométrio e dificultando o desempenho dos espermatozoides.

2.Como são colocados?

O procedimento de colocação do DIU não é feito por meio de cirurgia e sim pela técnica ambulatorial, realizada em consultório mesmo. No procedimento, o médico insere o dispositivo através do canal vaginal. Logo após o processo, você poderá sentir cólicas e leves sangramentos e por essa razão as relações sexuais devem ser suspensas nos dois primeiros dias, certo? O seu médico te informará como encontrar o fio do objeto, agendará o seu próximo encontro com ele, entre quatro à seis semanas, pois se o seu fio sumir, pode ser um sinal de que esteja enrolado no colo do útero ou no canal uterino. Caso aconteça, avise ao seu médico. Se depois de um período você decidir retirá-lo, pode ficar tranquila que o seu ginecologista irá só puxar o mesmo fiozinho.

3.Vantagens

Uma das principais vantagens do DIU é que ele é um anticoncepcional de longa duração: O DIU de cobre pode durar de 5 á 10 anos e o DIU hormonal, 5 anos, sendo então um método de proteção para um bom tempo. Você não precisará se preocupar com esquecimentos, como no caso da pílula, em que você tem que tomá-la todos os dias ou quando não usa a camisinha. Outra vantagem é não precisar tomar hormônios.

4.Desvantagens

Entre as desvantagens do DIU estão: é possível que o seu organismo não o aceite e expulse-o. O índice desses casos é de uma até sete em cada 100 mulheres. Existe também o risco de gravidez ectópica, quando o bebê que cresce nas trompas da mãe pelo óvulo não se prende a parede do útero, podendo fixar-se nas trompas, na cavidade abdominal ou colo do útero. Também podem aparecer cistos uterinos por causa da instalação do DIU, mas normalmente desaparecem sem tratamentos específicos ou diminuem. Como todos os métodos de contracepção, o DIU possui uma porcentagem de risco a gravidez, a menor de todas, mas caso aconteça você deve fazer uma ultrassom para realizar o procedimento necessário.

5.Efeitos Colaterais

O DIU de hormônio pode dar acne, retenção de líquido, dores de cabeça, diminuição dos efeitos da TPM e algumas dores nos três primeiro meses, além de uma possível redução de libido. Com o tempo, algumas mulheres param de menstruar, mas para quem optou pelo DIU de cobre, o fluxo menstrual continua normalmente.

6.Cuidados

Para quem se interessou em colocar um DIU, o primeiro passo é conversar com o seu ginecologista para saber quais são as restrições. Por exemplo: se você está grávida, está suspeitando ou pretende engravidar em menos de cinco anos, o DIU não é o mais indicado. Assim como se você teve uma infecção pós-parto, câncer, sangramentos sem explicações, doença inflamatória pélvica ou possui alguma anormalidade, que deixaria o DIU sem espaço como, por exemplo, má formação uterina, distorções, entre outros.

Durante o primeiro mês será necessário que você observe, sinta se o DIU está no lugar correto ou você pode fazer isso por meio de um ultrassom. Depois das primeiras semanas, você poderá continuar a vida normalmente, só será necessário a checagem anualmente. Ahhh e lembre-se, o DIU não substitui a camisinha, pois ele não previne doenças sexualmente transmissíveis.

Compartilhe com a equipe Hype as suas curiosidades sobre esse apetrecho que está ficando cada vez mais popular! Comente aqui se você usa, já usou e como foi a sua experiência. E se ainda tem aquela dúvida, não deixe de perguntar não, hein?! O Hype está aqui para te ajudar.

 

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *