Valor das emendas pode ser reduzido
1 de julho de 2011
Mostra reúne imagens de Jackie Kennedy
1 de julho de 2011

Brasil testa superpílula para o coração

Milhares de pessoas pelo mundo sofrem com doenças cardiovasculares, e os que ainda não passaram por isso, sabendo da gravidade do problema, podem se questionar, como eu vou me prevenir disso? É aí que entra a mais nova superpílula, que promete reunir em um único comprimido, quatro medicamentos para combater esse mal!

O Brasil vai testar a superpílula para o coração daqui a quatro meses, em 22 hospitais. No geral, oito mil pessoas no mundo poderão ser beneficiadas com o medicamento! Pesquisas realizadas pelo Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, apresentaram uma notícia realmente importante: a pílula diminuiu em até 60% os riscos de uma pessoa sofrer enfarte ou AVC (acidente vascular cerebral) – conhecido também como derrame – além de controlar o temido colesterol e a pressão arterial.

O inovador comprimido é composto por duas substâncias, uma que atua diretamente no colesterol e outra que evita um grave problema, o entupimento de vasos sanguíneos do coração. Essas duas combinações controlam a pressão arterial.

A superpílula serve para prevenção de quem ainda não teve a doença, mas agora vem à dúvida, quem já teve problemas cardiovasculares também pode tomar? É o que os pesquisadores estão estudando, para entender melhor como a pílula vai agir no organismo desses pacientes. Cerca de dois mil brasileiros que já sofreram AVC ou enfarte, vão poder testar o produto durante 18 meses e mais cinco países também vão participar dessa etapa. Se todos os resultados forem positivos, o governo já pensa na possibilidade de adicionar o novo medicamento, na lista de remédios que beneficiam a população por serem gratuitos.

Otávio Berwanger, diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital do Coração e coordenador nacional da pesquisa explica que, 400 voluntários com riscos cardiovasculares moderados, participaram dos testes e os resultados animaram os especialistas! “Consideramos ‘moderados’ os pacientes que nunca sofreram enfarte ou AVC, mas têm predisposições, como fumo, sedentarismo, obesidade ou pressão alta”, diz Berwanger. Se tudo der certo, essa superpilula vai diminuir uma das grandes causas de mortes no Brasil, por isso, vamos cruzar os dedos e pensar positivo!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *