Woody Allen no Cineteatro São Luiz
26 de abril de 2017
Edital Ceará Junino 2017 abre inscrições
26 de abril de 2017

Com 24 votos favoráveis e um contra, a Câmara Municipal de Fortaleza aprovou em segunda discussão a PLC 13/2016. O projeto de lei dispõe sobre os padrões urbanísticos e ambientais para a instalação de infraestrutura de suporte para recepção de rádio, tv, telecomunicação em geral e outros sistemas de transmissores ou receptores de radiação eletromagnética não ionizante no município de Fortaleza.

A PCL, que segue agora para redação final, tem objetivo de garantir conquistas obtidas com o avanço e desenvolvimento das telecomunicações, principalmente a telefonia celular, adotando um conjunto de regras que possa disciplinar e organizar o licenciamento destes equipamentos e da infraestrutura.

→ Mais aprovações 

Junto com o projeto, a emenda 09/2017 foi aprovada com 25 votos favoráveis. Ela altera o artigo 15 do projeto de lei, não autorizando a instalação de infraestrutura de suporte de torres para reprodução de sinal e equipamentos afins em Zonas de Proteção Ambiental, áreas de parques, praças e vias públicas, ou a menos de 50 metros de hospitais, clínicas de internação, escolas, creches ou asilos.

Na ocasião o vereador Guilherme Sampaio (PT) se mostrou contrário ao projeto e afirmou que não existe consenso científico dos possíveis males causados pelas antenas receptoras e transmissoras de radiação eletromagnética, e que a atitude mais segura possível de tomar seria a cautela, porém não enxerga isso no projeto apresentado. “Ao contrário da cautela, a intenção da Prefeitura Municipal de Fortaleza é liberar uma matéria que pode apresentar riscos à nossa população”, comentou o parlamentar.

Já o vereador Ésio Feitosa (PPL) defendeu a aprovação do projeto explicando que ela é importante para regulamentar uma situação que já existe na cidade, e que a lei foi construída por meio de um longo debate com diversos órgãos. “Nossa cidade ainda não tinha uma legislação que regulasse e ordenasse esses tipos de antenas. Ela é uma lei atual, moderna, foi construída por meio de um longo debate e desde 2016 que ela tramita. Ela passou por várias etapas, muitos órgãos e especialistas envolvidos para construir uma lei que atenderá as necessidades da capital”, ressaltou.

E você, o que acha? A PCL é importante para disciplinar e organizar o licenciamento de equipamentos transmissores ou receptores de radiação eletromagnética não ionizante no município de Fortaleza? O Pátio Hype quer saber a sua opinião.

Fotos: Reprodução. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *