69º Salão de Abril recebe exposição de alunos da Vila das Artes
16 de maio de 2018
Prefeitura de Fortaleza divulga resultado preliminar do VII Edital Ação Jovem da Rede Cuca
16 de maio de 2018

Coletivo 5 a Seco em show inédito nesta sexta, em Fortaleza

Num grupo que nasceu com o preceito de ser a união de cinco artistas com carreiras e formações singulares – um coletivo de compositores e não uma banda -, reunir elementos diferentes e fundi-los num todo coerente é um processo contínuo: uma síntese por dia. Mas é mais do que isso. Método, processo ou operação que consiste em reunir elementos diferentes, concretos ou abstratos e fundi-los num todo coerente. Esta é, sem mudar uma vírgula, a definição do verbete síntese encontrada na wikipedia. Esta é, sem mudar uma vírgula, a descrição fiel e precisa do funcionamento interno do 5 a Seco ao longo dos quase oito anos de trajetória até o momento.

Em março, no Rio de Janeiro, aconteceu o lançamento do mais novo trabalho do grupo, o álbum Síntese. Agora, chegou a vez do público cearense conferir de perto todo o som e harmonia do grupo que encanta plateias por onde passa. 

Podemos dizer que o disco Ao vivo no Auditório Ibirapuera (2012) é a tese: a potência do encontro dos cinco “cantautores” apresentada como ela nasceu, num espetáculo ao vivo. A ideia das trocas de formação instrumental, da ausência de uma formação fixa, com os cinco integrantes dispostos em linha na frente do palco: tudo isso está ali.

Já o álbum Policromo (2014) é a antítese: um álbum de estúdio, cheio de overdubs e experimentações sonoras, com uma procura muito mais detalhada de timbres e texturas, um flerte com uma sonoridade de banda pop: um passo adiante, um contraponto.

Agora, o que podemos observar em Síntese é a integração desses dois mundos.

Do primeiro trabalho, retorna a ideia de experimentar longamente um show antes de registrá-lo em álbum; a noção de que é nas apresentações ao vivo que o 5 a Seco se mostra em sua forma essencial e o conceito da formação em linha, aqui radicalizado, retirando os instrumentos que ficavam ao fundo do palco e posicionando-os à frente.

Essa escolha tem a ver com a afirmação da identidade conceitual do coletivo. Pode saltar aos olhos e ouvidos, nesta nova etapa, a falta do violão, que é o instrumento de origem de cada um dos músicos e com o qual foram tantas vezes associados. Bem, isso não é uma ruptura: é apenas o comprometimento com a procura de uma sonoridade surpreendente- não só para os ouvintes, mas também para eles mesmos. O violão permanece como matriz afetiva, onde vão fabricar as canções para apresentar ao mundo.

Mas é mais do que isso.

É a alegria dos cinco (Leo Bianchini, Pedro Altério, Pedro Viáfora, Tó Brandileone e Vinicius Calderoni) de estarem juntos e a crença compartilhada na importância do encontro. É a chance de olhar e considerar o outro num momento de crescimento da intolerância no mundo. E, na celebração deste encontro, a crença na força das canções e a sorte de poder tocá-las e cantá-las. E melhor: fazer isso junto.

Em síntese, é isso.

Serviço

5 a Seco em Fortaleza
Data: 18 de maio (sexta-feira)
Local: Teatro RioMar Fortaleza
Ingressos: No local
Valores: Plateia Alta – R$ 70 (inteira) / R$ 35 (meia) | Plateia Baixa B – R$ 90 (inteira) / R$ 45 (meia) | Plateia Baixa A – R$ 100 (inteira) / R$ 50 (meia)

Fotos e vídeo: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *