entreter os filhos
Criatividade: pai cria trem para entreter os filhos na quarentena
28 de abril de 2020
Premiação valoriza a reflexão de estudantes sobre o cenário atual
29 de abril de 2020

Conheça 10 livros misteriosos que são para lá de curiosos!

Em tempos de mídia e tecnologia, ler livros pode parecer ultrapassado para alguns, mas nada como uma boa leitura para passar o tempo de forma divertida. Seja drama, romance, biografia, ficção ou fantasia, livros realmente podem levar nossas mente a locais inimagináveis. E até mesmo sombrios, assustadores! Como esses livros misteriosos que, na verdade, alguns mal conseguiram ser decifrados! Fica ligado nesses dez livros que despertam a curiosidade – e o medo! – em muita gente!


The Smithfield Decretals

Uma das poucas coisas certas que se sabe sobre esse livro é que ele foi escrito aproximadamente entre os anos 1220 a 1340. Sua autoria é atribuída ao Papa Gregório IX, mas nele há escritos que datam de quase 100 anos após sua morte. Também desconfia=se que ele começou a ser escrito na França e foi finalizado na Inglaterra. O fato é que o livro foi escrito em Latim e retrata- de forma bizarra! – medos e cotidianos da Idade Média.
O diferente é que ele retrata brigas entre animais gigantes, figuras de coisas esquisitas rolando entre animais e humanos, cenas violentas e afins. Mas, talvez a figura mais conhecida deste livro seja a do que podemos chamar de “Yoda da Idade Média”…

Emuna Elish

O livro foi escrito pelos Sumérios, uma das civilizações mais antigas do mundo, o que faz desse um dos primeiros livros que já existiram. Escrito em babilônio antigo, o “livro”, por assim dizer, foi escrito em placas de argila, e conta a visão dos Sumérios para a criação do mundo e seus Deuses. O mais curioso é que o Gênesis, da Bíblia, guarda muitas semelhanças com a visão dos Sumérios para a criação do universo. Será que alguém copiou alguém???

Aurora Consurgens ou O Livro de São Tomás

Imaginem um livro que descreve cenas aparentemente bizarras e impossíveis, como um par de gêmeos siameses sendo levados por um pássaro azul gigante ou uma criança nua com a cabeça desfigurada oferecendo pedaços do seu peito a um companheiro. Pois esse livro é atribuído a Santo Tomás de Aquino. Acredita-se que ele o escreveu entre os séculos 13 e 15, ou seja, um dos períodos mais obscuros da Idade Média.
O livro é, na verdade, um tratado alquímico. Por acaso, uma das raras cópias acabou caindo nas mãos de Carl G. Jung, um dos pais da psicanálise. Admirado com as imagens fantasmagóricas, os estudos alquímicos e tudo o mais, Jung acreditou piamente que o livro tenha sido escrito mesmo por Santo Tomás de Aquino, em seu leito de morte.

O Livro Vermelho

Mais do que ler livros miteriosos, Carl G. Jung também escreveu o seu. Em dezembro de 1913, Jung estava viajando quando teve uma visão. Ele havia visto um verdadeiro mar de sangue cobria o continente europeu e, nele, centenas de cadáveres boiando. Ele achou que estava tendo alucinações, mas… No ano seguinte, aconteceu a Primeira Guerra Mundial. Logo, Jung associou o acontecimento à sua estranha visão.
O pesquisador passou então a ter outras estranhas alucinações que ele pensou que também poderiam ser premonições. Logo, ele teve uma ideia de escrever um livro descrevendo e explicando suas visões. Porém, para não prejudicar sua reputação como médico, ele resolveu que o livro somente seria publicado após sua morte. Jung morreu em 1961, e sua família resolveu também não publicar a obra. Somente em 2009 é que o Livro Vermelho foi encontrado em um cofre e publicado conforme Jung queria.

Opera Omnia Paracelsi ou Obras Completas de Paracelso

Que crédito você daria a um escritor conhecido por ser beberrão e barraqueiro? Pois esse era suíço Theophrastus Philipus Aureolus Bombastus, mais conhecido como Paracelso. Ele saiu pela Europa em plena Idade Média, com uma pequena trouxa de roupas e, por onde parava, escrevia suas histórias. O mundo, para ele, era repleto de seres mágicos como bruxas e fadas. Misturando magia com conhecimentos de química, Paracelso curava doenças, transformava metais e passava seus conhecimentos a monges e sacerdotes.
Muito de seus métodos eram criticados, porém, era certo que ele tinha poderes e conhecimento que curavam. Boa parte de seus escritos foram reunidos no Opera Omnia Paracelsi e ainda hoje há quem o ache louco e há quem creia que ele tenha sido um visionário.

A Filosofia da Viagem no Tempo

Você já assistiu Donnie Darko? Então talvez se identifique com este livro, ja que ele serviu de inspiração para o filme. O que se sabe sobre a forma como ele foi escrito é bem confusa. Têm-se certeza apenas de que ele é obra de uma freira que, durante seu enclausuramento. No prefácio, ela agradece a seis freiras de Saint John, na Alexandria, pelo apoio. O fato é que, no livro, ela aborta temas como universos paralelos, multiversos, transferência de consciência e outros mais que, só foram abordados por físicos teóricos como Stephen Hawking em Uma Breve História do Tempo. Vale lembrar que A Filosofia da Viagem no Tempo foi escrito em 1944, quando não havia nada nem parecido com internet. E por uma freira que passou boa parte de sua vida enclausurada!
O que torna tudo ainda mais bizarro é que no livro, ela escreve dizendo que espera que sua obra seja apenas uma ficção, mas que também há chances de que seja real. Gente, que viagem!!!!

Os Evangelhos Gnósticos

Além de misteriosos, os Evangelhos Gnósticos são considerados heréticos e não reconhecidos pela Igreja até hoje! Trata-se de um conjunto de papiros encontrados em 1945, no Alto Egito. Os gnósticos são uma corrente cristã que rivalizava com as igrejas. Por volta do século IV, quando o cristianismo tornou-se a religião oficial do Império Romano, todo o conhecimento Gnóstico foi considerado herético. E toda a literatura gnóstica foi destruída no fogo. Porém esses papiros foram escondidos e encontrados 1500 anos depois!
Nos textos, ensinamentos atribuídos a Jesus Cristo – e que não aparecem no Novo Testamento! – e outras questões que contrapõem fatos escritos na Bíblia. não é à toa que são considerados heréticos! Entre os livros destacam-se:
O Evangelho de Filipe
Apócrifo de Tiago
O Evangelho da Verdade
Apócrifo de João
Apocalipse de Paulo
Apocalipse de Adão
E o mais polêmico dos livros, O Evangelho de Tomé.

Para você ter uma ideia, o Evangelho de Tomé cita 114 ensinamentos atribuídos a Jesus Cristo. Logo na primeira linha do livro encontra-se a seguinte frase: “Essas são as palavras secretas que Jesus, o Vivo, proferiu, e que o seu gêmeo Judas Tomé, anotou”. Será que Jesus Cristo teve um irmão?

Operação Cavalo de Troia

Quem disse que livros misteriosos são sempre antigos? Eis um que você pode encontrar em qualquer livraria! Na verdade, Operação Cavalo de Troia é uma espécie de dossiê escrito por J. J. Benitez dividido em oito livros. Nele, uma missão militar dos Estados Unidos volta aos tempos de Jesus Cristo para avaliar quem foi ele, como ele viver e se os ensinamentos da Bíblia são mesmo como ensinado.
Porém, o que chama atenção – e deixou muita gente acreditando que tal missão poderia ter, de fato, acontecido – é o alto índice de descrição que ele traz. Todas as cenas, cenários e personagens são descritos de forma tão minuciosa que muita gente acreditou que era de verdade!

Codex Seraphinianus

Entre 1976 e 1978, um arquiteto e designer industrial italiano resolveu que ia fazer um livro. Mas não qualquer livro! Um livro sobre o impossível, o absurdo e o inimaginável! Luigi Serafini criou uma verdadeira enciclopédia de um universo paralelo. Em meio a figuras fantásticas, ele criou uma linguagem que em nada se parece com o que se conheça hoje.
São 11 capítulos daquilo que é considerado sua obra-prima. Segundo o autor, a ideia do livro surgiu após um surto onde imaginou outros mundos fantásticos repleto de criaturas híbridas e surreais. Em entrevista ele já admitiu que os escritos não querem dizer nada mesmo. E as imagens são uma tentativa de recriar nos adultos a sensação que uma criança tem ao pegar um livro cheio de figuras quando ainda não sabe ler. Então ok, né?

O Manuscrito Voynich

Esse livro lembra bastante o Codex Serafhinianus, mas com uma diferença: ninguém sabe nem quando ele foi escrito e muito menos por quem. Análises indicam que o livro pode ter sido escrito entre no início do século XV, provavelmente entre os anos 1400 à 1450. Outra coisa que não se sabe é em que língua ele foi escrito. na verdade, muitos estudiosos acreditam que o texto esteja criptografado, já que ele não lembra em nada nenhuma língua conhecida pelo ser humano.
Além disso, o livro também está cheio de ilustrações de plantas que nunca foram vistas pela ciência. Fora essas imagens, mulheres nuas, mandalas e outras imagens esotéricas também aparecem no livro.
De fato tem muita coisa estranha nesse mundo, viu???

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *