Regras do BBB podem mudar em 2022 para punir atitudes racistas
8 de abril de 2021
5 canais do Youtube para fazer aulas em casa!
8 de abril de 2021

Todo mundo tem uma história a contar. E sempre tem alguém que goste de ouvir histórias, sejam elas sobre o que forem.  Então, já pensou que legal seria poder guardar sua história em um espaço onde quem quisesse pudesse ouvi-la, conhecê-la? Então, essa é uma das premissas do Museu da Pessoa, em São Paulo. Na verdade, a ideia nasceu em 1991. A ideia era integrar a memória das pessoas à memória social do mundo no qual elas vivem. Ou seja, é um museu feito inteiramente com histórias de vida. E nele, a pessoa pode ser, ao mesmo tempo, visitante e personagem.

De acordo com o próprio site da instituição, o Museu da Pessoa surgiu com “objetivo de constituir uma Rede Internacional de Histórias de Vida. Desde o início, ainda antes da popularização da Internet, nos definíamos como um museu virtual. Naquele momento entendíamos que o Museu da Pessoa seria um espaço para registrar, preservar e disseminar histórias de vida de toda e qualquer pessoa da sociedade”.

Hoje, com o advento da internet, compartilhar essas histórias ficou mais fácil. Então agora, o Museu da Pessoa leva diferentes histórias de vida a diferentes locais, e virou uma rede internacional de compartilhamento de histórias, com iniciativas em diversos países, como Portugal, Estados Unidos e Canadá. O museu é virtual e capta, organiza e edita conteúdos distribuídos em publicações, programas de rádio e TV, exposições e no seu site. Mas, desde 2007, o Museu da Pessoa e também um espaço físico, localizado em São Paulo, no bairro Vila Madalena.

Participe do Museu da Pessoa você também!

No espaço físico do museu, são realizadas uma série de oficinas culturais, além de haver um estúdio de captação sempre disponível para quem quiser compartilhar a própria história. Infelizmente essa parte do projeto está suspensa devido à pandemia. Mas o site do Museu da Pessoa deixa claro que qualquer um, em qualquer lugar, pode enviar uma história, bastando seguir os itens abaixo:

  • Uma boa história é bem diferente de um bom relatório. História bem contada tem clima, tensão, ritmo, revelações. Tente não contar o fato de um jeito linear, previsível e sem emoção.
  • Antes de contar a história, confirme se ela tem começo, meio e fim. Geralmente, o começo introduz o assunto; o meio desenvolve a história; e o final apresenta alguma conclusão.
  • Perguntas descritivas e de movimento ajudam a contar uma história, por exemplo: Como era tal lugar? O que você fez depois que saiu de casa?
  • Não esqueça de incluir tags (palavras-chave) relacionadas ao relato. (ex. cartas, infância, namoro à distância, telegramas, etc).
  • Você poderá adicionar fotos relacionadas a sua história e/ou vídeo. Fotos deverão conter no máximo 1 Mb e sua publicação é de responsabilidade do autor. Já o vídeo deverá ser inserido através de link do youtube. Para isso é necessário que seja feito um upload do vídeo no site  www.youtube.com.”

Além de histórias de anônimos, há também relatos de vários famosos, como o Samuel Rosa, vocalista do Skank, Olha só que bacana:

Ou seja, se você quer fazer parte deste projeto incrível, você pode! E vamos combinar, virar “artigo de museu” nunca soou tão bonito, não é mesmo?

Fotos e vídeo: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *