Dica do dia – “O Livro da Psicologia” na Saraiva
16 de junho de 2015
Airfryer Walita na Polishop do OFF Outlet!
17 de junho de 2015

Sistema de cotas em universidades é sempre um assunto bem polêmico e bom para se debater, não é verdade? Uns acham que as cotas nas universidades corrigem injustiças históricas no Brasil; já outros pensam que este tipo de seleção diferenciada só faz aumentar ainda mais o abismo de desigualdade e de preconceito com os candidatos inseridos nestas cotas. A Assembleia Legislativa resolveu entrar nesse jogo e debater um projeto de lei de autoria do deputado Zé Ailton Brasil (PP), que dispõe sobre o sistema de cotas nas instituições de ensino superior do Ceará. O evento atendeu aconteceu na tarde desta segunda-feira, 16,  e atendeu a requerimento dos deputados Zé Ailton Brasil e Renato Roseno (Psol).

Na opinião de Renato Roseno, a implantação das cotas é algo necessário e vem para corrigir a desigualdade existente no Estado. “Quando a melhor formação educacional é reservada aos filhos das elites proprietárias, perpetua a concentração da riqueza. A ideia de haver cotas reconhece a desigualdade existente e permite sua superação”, opinou.

Já para o autor do projeto, se aprovado, o sistema de cotas para ingresso em universidades públicas deverá ser implementado em até 10 anos. “São dez anos para que o sistema seja repensado e discutido, e para que o Estado possa implementar políticas públicas que valorizem a escola pública”. Zé Ailton comentou que na Universidade Estadual do Ceará (Uece), as cotas já valerão este ano, antes mesmo da aprovação do projeto de lei.

Segundo a professora Mônica Petralanda, assessora da Uece, a instituição aderiu ao sistema de cotas após debates entre a comunidade academica, Seduc, Ministério da Educação (MEC) e universidades estaduais do Nordeste que já contavam com as cotas. Segundo ela, são disponibilizados 25% das vagas serão para alunos vindos de escolas públicas. Sobre o projeto de lei a docente disse que ele vem atender aos anseios da Uece, já que aponta para problemas como a desigual condição de acesso à educação pública superior do Estado.

cotas02okOutro que participou da audiência foi o pró-reitor de planejamento da Universidade Regional do Cariri (Urca), João Luiz Mota, que disse que a instituição já faz uso de cotas sociais há mais de dez anos, por meio da reserva de vagas para alunos de escolas públicas.

Também estiveram na audiência estudantes, o presidente do Conselho Estadual de Educação, padre José Linhares Ponte, representantes de movimentos negros, da pró-reitoria de Assuntos Estudantis da Uece; da coordenadoria especial de Políticas Públicas de Direitos Humanos no Ceará, e do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes).

E você: é contra ou a favor das cotas para ingressos de alunos em universidades públicas? Pra você, isso é uma correção da desigualdade histórica existente em nossa sociedade ou mais uma forma de preconceito velado? Um ótimo tema para aquela discussão de fim de tarde com os amigos, não?

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *