Residência artística e concerto com músicos renomados
18 de outubro de 2017
Divulgado o line-up por dia do Lollapalooza 2018
19 de outubro de 2017

Estamos seguindo com o nosso especial #MêsdoTerror, cheinho de coisas assustadoras até chegar o Halloween. Daí você se pergunta de onde tiramos tanas ideias para os posts. Bem, já perdemos a conta de quantas vezes dissemos aqui o quanto nós, da equipe Pátio Hype, somos fãs de filmes de terror. A emoção, o suspense, o sobressalto, o susto! Não sabemos dizer em definitivo o que tanto nos atrai neste gênero cinematográfico.

E assim como a gente, muitas pessoas não dispensam um bom filme de terror, seja nos cinemas ou para assistir em casa mesmo. Ontem mesmo publicamos uma listinha mara de longas simplesmente imperdíveis. O negócio é ter susto no meio! Mas sabiam que alguns filmes de terror foram tão bem feitos, com cenas tão realistas, que acabaram sob suspeita? E que seus realizadores foram investigados pela polícia?

O motivo da investigação, na maioria dos casos é bem simples: descobrir se de fato algum crime ocorreu ou se foi tudo pura encenação da sétima arte. Vamos ver três filmes de terror – e bem desconhecidos, tipo cinema de arte, sabem? – que, de tão realistas, foram investigados:

Guinea Pig 2: Flowers of Flesh and Blood


Gente, se tem uma coisa que dá arrepios são filmes de terror japoneses. Os orientais têm uma criatividade incrível quando o assunto é inventar formas de torturar, mutilar e claro, matar pessoas de formas sangrentas e aterradoras. E assim é com Guinea Pig, que ficou famoso no Japão no final da década de 80. Entretanto, o filme ganhou fama internacional quando Charlie Sheen – sim, o ator de Two and a Half Man – ligou para o FBI denunciando o filme, pois achava que tinha achado um vídeo de um assassinato real.

A polícia foi atrás da equipe de produção do longa. Todos precisaram se apresentar ao Tribunal e comprovar que tudo não passava de uma produção cinematográfica e ninguém havia morrido.

Uma Lagartixa Num Corpo de Mulher


O nome é esquisito, e podem ter certeza: o filme também é! O enredo é até simples: uma jovem vive sonhando com sua vizinha, até que em uma noite, sonha que a mata. Quando a vizinha é encontrada de fato morta, a jovem passa a ser a principal suspeita e precisa provar sua inocência. Até aqui ok, parece um thriller normal. Mas uma das cenas envolvia a chegada da jovem acusada em um sanatório no qual ela dava de cara com quatro cachorros com os peitos abertos e o coração exposto, ainda batendo.

A cena ficou tão real que o diretor, Lucio Fulci, foi acusado de crueldade com animais e quase foi preso. Foi necessário a equipe de efeitos especiais comprovar que foram utilizados bonecos de borracha e peles de coiote para fazer os cachorros, mas por via das dúvidas, a cena acabou sendo cortada do longa. Haja estômago!

Holocausto Canibal


Filmes de terror gravados para parecerem reais não são mais nenhuma novidade. E este foi gravado no formato documentário. Isso para dar ainda mais veracidade à história de uma equipe de reportagem enviada para filmar tribos canibais da Amazônia (oi?) e que acaba presenciando coisas terríveis. Bem, indígenas locais foram utilizados como atores e cenas terríveis de mortes – tanto humanas quanto de animais – foram feitas de forma ultrarrealista. Tanto que o filme foi confiscado logo depois de seu lançamento, e o diretor Ruggero Deodato foi acusado de assassinato.

Novamente, lá se foi a equipe de produção e filmagem provar que nada daquilo foi real. Ainda assim o diretor e os produtores do filme foram acusados de obscenidades e crueldade animal.

Gente, nós até gostamos de filmes de terror… Mas tem uns que até a gente pensa que são um pouco demais, não concordam? De onde vem tanta ideia sangrenta para se fazer filme?

Fotos e vídeos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *