5 fotógrafos de casamento de Fortaleza para você se inspirar
10 de fevereiro de 2018
Noiva abandonada dias antes do casamento transforma fotos em memes
12 de fevereiro de 2018

Estamos seguindo com o nosso especial #MêsdoTerror, cheinho de coisas assustadoras até chegar o Halloween. Daí você se pergunta de onde tiramos tanas ideias para os posts. Bem, já perdemos a conta de quantas vezes dissemos aqui o quanto nós, da equipe Pátio Hype, somos fãs de filmes de terror. A emoção, o suspense, o sobressalto, o susto! Não sabemos dizer em definitivo o que tanto nos atrai neste gênero cinematográfico.

E assim como a gente, muitas pessoas não dispensam um bom filme de terror, seja nos cinemas ou para assistir em casa mesmo. Ontem mesmo publicamos uma listinha mara de longas simplesmente imperdíveis. O negócio é ter susto no meio! Mas sabiam que alguns filmes de terror foram tão bem feitos, com cenas tão realistas, que acabaram sob suspeita? E que seus realizadores foram investigados pela polícia?

O motivo da investigação, na maioria dos casos é bem simples: descobrir se de fato algum crime ocorreu ou se foi tudo pura encenação da sétima arte. Vamos ver três filmes de terror – e bem desconhecidos, tipo cinema de arte, sabem? – que, de tão realistas, foram investigados:

Guinea Pig 2: Flowers of Flesh and Blood


Gente, se tem uma coisa que dá arrepios são filmes de terror japoneses. Os orientais têm uma criatividade incrível quando o assunto é inventar formas de torturar, mutilar e claro, matar pessoas de formas sangrentas e aterradoras. E assim é com Guinea Pig, que ficou famoso no Japão no final da década de 80. Entretanto, o filme ganhou fama internacional quando Charlie Sheen – sim, o ator de Two and a Half Man – ligou para o FBI denunciando o filme, pois achava que tinha achado um vídeo de um assassinato real.

A polícia foi atrás da equipe de produção do longa. Todos precisaram se apresentar ao Tribunal e comprovar que tudo não passava de uma produção cinematográfica e ninguém havia morrido.

Uma Lagartixa Num Corpo de Mulher


O nome é esquisito, e podem ter certeza: o filme também é! O enredo é até simples: uma jovem vive sonhando com sua vizinha, até que em uma noite, sonha que a mata. Quando a vizinha é encontrada de fato morta, a jovem passa a ser a principal suspeita e precisa provar sua inocência. Até aqui ok, parece um thriller normal. Mas uma das cenas envolvia a chegada da jovem acusada em um sanatório no qual ela dava de cara com quatro cachorros com os peitos abertos e o coração exposto, ainda batendo.

A cena ficou tão real que o diretor, Lucio Fulci, foi acusado de crueldade com animais e quase foi preso. Foi necessário a equipe de efeitos especiais comprovar que foram utilizados bonecos de borracha e peles de coiote para fazer os cachorros, mas por via das dúvidas, a cena acabou sendo cortada do longa. Haja estômago!

Holocausto Canibal


Filmes de terror gravados para parecerem reais não são mais nenhuma novidade. E este foi gravado no formato documentário. Isso para dar ainda mais veracidade à história de uma equipe de reportagem enviada para filmar tribos canibais da Amazônia (oi?) e que acaba presenciando coisas terríveis. Bem, indígenas locais foram utilizados como atores e cenas terríveis de mortes – tanto humanas quanto de animais – foram feitas de forma ultrarrealista. Tanto que o filme foi confiscado logo depois de seu lançamento, e o diretor Ruggero Deodato foi acusado de assassinato.

Novamente, lá se foi a equipe de produção e filmagem provar que nada daquilo foi real. Ainda assim o diretor e os produtores do filme foram acusados de obscenidades e crueldade animal.

Gente, nós até gostamos de filmes de terror… Mas tem uns que até a gente pensa que são um pouco demais, não concordam? De onde vem tanta ideia sangrenta para se fazer filme?

Fotos e vídeos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *