Agenda cultural do fim de semana
26 de maio de 2017
Oficina Câmara Obscura no Museu da Fotografia
26 de maio de 2017

Jovens aprenderão princípios de audiovisual em quatro dias de intensa programação. Realizado pelo povo Jenipapo-Kanindé, o projeto Formação de Cineastas Indígenas. A iniciativa contempla aldeias de quatro etnias do Ceará, promovendo oficinas de fotografia, vídeo e produção, rodas de conversa, vivências na mata, rituais indígenas e uma mostra de filmes etnográficos. O Módulo Tapeba da “Formação de Cineastas Indígenas – Um olhar etnográfico” começa nesta sexta-feira, 26 de maio, e segue até domingo, 28, na escola da aldeia Lagoa dos Tapeba, em Capuã, distrito do município cearense de Caucaia.

Contando com o apoio da Secretaria da Cultura do Ceará, o projeto dá continuidade à primeira e à segunda Mostra Indígena de Filmes Etnográficos do Ceará. Realizado pela Associação de Mulheres Indígenas Jenipapo-Kanindé, a iniciativa é composta de quatro Módulos. Os dois primeiros aconteceram em aldeias dos povos Jenipapo-Kanindé e Kanindé de Aratuba, respectivamente, e o ultimo será destinado a integrantes da etnia Pitaguary. São aproximadamente 15 alunos por Formação. A produção do evento é realizada por membros das aldeias envolvidas.

Capacitar jovens indígenas para usar o audiovisual como ferramenta de registro e expressão da própria cultura é o objetivo do curso. Contudo, os benefícios da iniciativa vão além da conquista de poder registrar “o olhar de um índio para outro índio”, explica a Cacique Irê, sucessora da Cacique Pequena na liderança da etnia Jenipapo-Kanindé. Segundo ela, os intercâmbios culturais entre as etnias envolvidas e a expansão dos horizontes profissionais entusiasmam os participantes e se refletem no desempenho escolar deles.

Agora os jovens cineastas Jenipapo-Kanindé exercitam e difundem os seus conhecimentos adquiridos. De acordo com o cineasta Henrique Dídimo, coordenador pedagógico e facilitador da formação, um dos diferenciais da iniciativa é a relação com a cultura indígena, inclusive nas oficinas. “A gente incorpora o conhecimento indígena dentro da metodologia do curso”, explica Dídimo.

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *