Famosas admitem o lado difícil de ser mãe
18 de outubro de 2016
Essa semana tem Oktoberfest Ceará!
19 de outubro de 2016

Todo brasileiro sabe que políticas públicas que coloquem em primeiro plano a melhoria de vida de crianças e adolescentes são essenciais para empreender transformações sociais. Entretanto, será que a criança tem sido prioridade na definição de políticas públicas por parte do governo e da sociedade?

Foi com essa pergunta que a enquete realizada pelo portal da Assembleia Legislativa instigou os internautas acerca do assunto, entre os dias 10 a 17 de outubro. Confira o resultado.

Para a maioria dos internautas (56,9%) o Brasil possui boas leis de proteção à infância, o que falta é efetivação. Outros 40%, no entanto, entendem que é cada vez maior o número de crianças e adolescentes em situação de abandono ou cooptadas pelo tráfico. E 3,1% consideram que tanto a Constituição de 1988 como o Estatuto da Criança e do Adolescente definem medidas de proteção e promoção dos direitos.

Ao comentar o resultado da enquete o deputado Renato Roseno (Psol) explicou que o Estatuto, criado como norma jurídica nos anos 1990, determina que crianças e adolescentes devem ter prioridade absoluta na elaboração de políticas públicas pelos governos. Entre essas políticas, estaria a saúde, a educação, moradia, negligência, medidas socioeducativas e de proteção especial no caso de vítimas de violência.

A deputada Aderlânia Noronha (SD) concorda com a maioria dos internautas e diz que também aguarda a aplicação da legislação que define como prioritárias as políticas para crianças e adolescentes. “No ano passado, prefeitos e deputados foram convidados para uma reunião no Palácio do Governo, onde foi apresentado um programa. Entre outras coisas, era definida a construção de creches. Se isso chegou em alguma cidade, eu desconheço”, observou a deputada.

criancas-e-adolescentes-2

Assim como a deputada e a maioria dos internautas, o presidente da Associação dos Conselheiros Tutelares, Eulógio Neto, acredita que a legislação está adequada, mas faltam meios para fazê-la ser cumprida. “Este cenário só pode ser modificado com mais investimentos”.

Sempre beijados e abraçados pelos candidatos durante as campanhas eleitorais, nem sempre crianças e adolescentes fazem parte da pauta política. A verdade é que embora o País tenha feito grandes progressos em relação à sua população mais jovem, os avanços não atingiram todos da mesma forma, você concorda?

 

 

 

 

 

Fotos: Reprodução. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *