Governo de Roberto Cláudio não terá slogan, mas muda brasão da cidade
21 de janeiro de 2013
ONU institui 2013 como o ano da quinoa
22 de janeiro de 2013

Movimentos promovem ações contra a intolerância religiosa

Hoje, 21 de janeiro, diversas atividades por todo o Brasil marcam o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Entre as ações, está a Campanha Nacional Contra a Intolerância Religiosa, da Rede Ecumênica da Juventude (Reju). A iniciativa pretende reafirmar um Estado Laico e a garantia do direito à diversidade e respeito à liberdade de consciência, culto e crença.

Entre as atividades da campanha da Reju, a mobilização simbólica: “Eu visto branco pelo fim da intolerância religiosa”, que acontece hoje. “Estaremos unid@s em diversos cantos do país, tod@s vestid@s de branco (camiseta, blusa ou calça…) com os desejos mais sinceros de um outro mundo possível e irmanado! Ao vestirmos branco, estamos nos envolvendo em um símbolo comum de paz, justiça e liberdade”, diz a nota de motivação da Rede.

O Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa, foi oficializado pela Lei nº 11.635, em 2007. A data é uma homenagem a Gildásia dos Santos e Santos, a Mãe Gilda. Ialorixá (sacerdotisa nas religiões de matriz africana) do terreiro Axé Abassá de Ogum, em Salvador. Mãe Gilda morreu de enfarte, após ver sua foto publicada no jornal de uma igreja evangélica, acompanhada de texto depreciativo.

O Brasil é um Estado Laico, ou seja, sem religião oficial desde 1890. Por isso a Constituição tem por obrigação promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

Religiões no Brasil

Dos 190,7 milhões de brasileiros apontados no Censo de 2010, 123,2 milhões são católicos e 42,3 milhões são evangélicos. Já os que dizem não ter religião são o terceiro grupo mais numeroso do Brasil, somando 15,2 milhões de pessoas. Analisando os dados do recenseamento de 1991, o crescimento deste grupo foi de 70,2%. Destes, 615 mil se declararam ateus e mais de 124 mil, agnósticos.

  • Espíritas: passaram de 1,3% (2000) para 2% (2010);
  • Umbanda ou Candomblé: 0,3%, o mesmo percentual registrado no último levantamento;
  • Outras religiões: 2,7% da população;
  • Não declarou: 0,1% da população.

 

Foto: reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *