Escondidinho Delícia – 10 receitas de dar água na boca!
18 de maio de 2018
10ª edição do Prêmio Escola Nota Dez condecora 332 escolas cearenses com melhores resultados
18 de maio de 2018

No mês da abolição, 5 expressões racistas para abolir já!

Para quem não lembra, em maio se celebra a abolição da escravatura no Brasil, mais precisamente no dia 13 de maio. A famosa Lei Áurea foi assinada em 13 de maio de 1888, e acabava (ao menos na teoria) com a escravatura. Mais de um século se passou e, ainda hoje, vemos graves reflexos desse período vergonhoso em nosso País. E, sem dúvidas, o racismo e o preconceito é um dos maiores. Várias expressões racistas se tornaram tão comuns que até esquecemos o quanto elas são preconceituosas.

Por isso, separamos cinco expressões racistas que falamos ainda hoje e contamos sua origem. Tudo isso para mostrar como o preconceito se esconde nas coisas mais banais de nosso dia a dia. E já passou da hora de acabar com isso!

via GIPHY

“Cor de pele” e/ou “Nude”

Vamos começar por algo super corriqueiro. Quem nunca disse que lingerie cor de pele não é sexy? Ou que quer um batom nude? Mas, cor de pele de quem? Essas expressões preconceituosas já estão até sendo revistas, graças, mas ainda está longe de ser perfeito. Afinal, quem foi que disse que algo “cor de pele” ou a maquiagem “nude” é apenas aquela mais clarinha e amarelada? Gente, aqui é Brasil, tem cor de pele e nudes de todos os tons! Alow!

via GIPHY

“Que negra linda!”, “Negra linda de traços finos”, “Que negão, hein?” e afins

Pode parecer elogios, mas são expressões preconceituosas e racistas! Porque falar “negra linda”? Precisa destacar a cor? É algo tão incomum assim? Não mesmo! Por que não dizer “que mulher linda!”, oras! Ou então “que cara gato!”. Não se trata de uma mulher ou de um homem? Não é linda ou gato? Ser negra, branca, parda, amarela, vermelha, o que for não vem ao caso em relação à beleza da pessoa! E falar que tem os traços finos, nos poupem! Isso remete ao preconceito de que todo negro tem traços grosseiros, é generalização, é errado e ponto!

via GIPHY

“Doméstica”

Aqui o racismo está tão enraizado que ninguém nem faz ideia! Mas sim, doméstica não tem NADA a ver com domicílio ou do lar. Ou melhor, tem, mas não da mesma forma. Domicílio é uma evolução da palavra em latim dommus. Já a expressão “doméstica” expressão também vem dos tempos da escravidão, quando os escravos precisavam de “corretivos” para serem domesticados e usados para trabalhar dentro da casa dos senhores. Sim, vem de domesticar mesmo, como se faziam com os animais. Que horrível!

via GIPHY

“Mulata”, “Mulata tipo exportação”, “mulata da cor do pecado” e afins

Para quem não sabe, o temo “mulata” era usado na Espanha para se referir ao filhote macho do cruzamento de cavalo com jumenta ou de jumento com égua. Ou seja, um animal que deu errado, uma mula, imprestável. Precisa nem dizer que com a miscigenação brasileira, a vinda de imigrantes espanhóis e o racismo típico europeu, logo a expressão foi usada também para negros filhos de escravos com europeus. Daí juntar isso com “tipo exportação” ou “da cor do pecado” só fazem sensualizar as negras, como se elas servissem apenas para satisfazer desejos sexuais. Sem contar a associação com o pecado em uma sociedade essencialmente religiosa como a brasileira… Expressões racistas e machistas ao mesmo tempo… E que ainda desrespeitam a religião…

via GIPHY

“Não sou nem tuas negas”

Eis uma expressão usada quando alguém quer ser respeitado. Até bem irônico isso, afinal, aqui é fácil saber que é uma expressão racista que vem dos tempos da escravidão. As “negas” eram as escravas sexuais dos senhores de engenho. Ou seja, se não é “tuas negas”, não pode chegar perto, certo?

E pensar que tem gente que acha que racismo é frescura e mimimi, hein? Viram como existem expressões racistas profundamente enraizadas em nossa cultura? É hora de refletir sobre o assunto e ver o quanto o preconceito foi normatizado pela “maioria”…

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *