8 dicas para te ajudar a relaxar de verdade!
16 de outubro de 2017
Guia Completo – Exercícios faciais para prevenir as marcas de expressão!
16 de outubro de 2017

Plataforma usa dança como instrumento de acessibilidade e inclusão na Bienal

A Bienal Internacional de Dança do Ceará, em sua 11ª edição, tem em sua programação, pelo terceiro ano, a Plataforma de Acessibilidade. Trata-se de um projeto que busca aproximar a dança de pessoas que tenham alguma deficiência. Com dois principais eixos, difusão e formação, a acessibilidade em perspectiva contempla a realização em formatos acessíveis como libras e troca de saberes. Toda a programação tem acesso gratuito.

Apresentando a dança como uma possibilidade a mais de expressão, a plataforma tem como tema este ano “Diversidade e diferença”. O corpo que antes teimara em ser visto como “deficiente” se empodera da sua diferença, se tornando um igual. E também tomando consciência de suas variadas formas de ser, discutindo sobre o direito a diversidade.
A Plataforma de Acessibilidade terá uma atividade inédita no contexto cearense. Trata-se da prática pedagógica de dança para crianças e jovens com autismo. De acordo com o diretor artístico da Bienal de Dança, Ernesto Gadelha, no Brasil não há iniciativas que trabalhem dança com pessoas com autismo. Então, mostrar essa perspectiva é uma forma de introduzir essa possibilidade de trabalho no contexto cearense. “Queremos despertar esse tipo de trabalho em dança. Não numa perspectiva terapêutica, mas como expressão, ou seja, o corpo em movimento, como elemento expressivo”, explica.

Tendo como base a temática do autismo, a professora e pesquisadora mineira Anamaria Fernandes ministra na Bienal a Residência “Poética da Diferença: criar e conduzir uma oficina de movimento e voz com pessoas autistas”. O projeto é realizado com o apoio dos graduandos em dança da UFC e da Associação TEAmo.

Como parte do Seminário Dança e Acessibilidade, a pesquisadora também conduzirá a Masterclass “Autismo e autoralidade: encontros e criações”. A aula será feita em parceria com o professor francês Benôit Le Bouteiller, especializado na área da deficiência, doença e vulnerabilidade. Para iniciar o debate, Anamaria exibirá o documentário “Un pas de côté” (Um passo de lado), produzido com o co-patrocínio do Ministério da Cultura francês. O filme retrata o trabalho que ela desenvolveu com jovens autistas em alguns ateliers de dança na cidade de Thorigné Fouillard, na França.

Para ampliar a percepção do que é a inclusão das pessoas com deficiência e de como pode ser feito o trabalho da dança com elas, o Seminário Dança e Acessibilidade contará com uma Roda de Conversa sobre “Corpo e Diferença – O que você é, ninguém pode ser”. A atividade será conduzida pelo bailarino cearense João Paulo Lima, pela companhia de dança contemporânea Giradança, do Rio Grande do Norte, que participa pela segunda vez da Bienal de Dança do Ceará, e pelos mediadores Fausto Augusto Cândido e William Pereira Monte, da Associação PRODANÇA.

Nesta edição da Bienal, a Giradança traz ainda o espetáculo Die einen, die anderen, um trabalho de cooperação entre a companhia e a coreógrafa alemã Toula Limnaios. O espetáculo foi desenvolvido no Brasil e em Berlim, na Alemanha. O processo de criação é uma pesquisa comum entre as duas companhias, onde ao final elas se separam novamente.

Toda a programação da Plataforma de Acessibilidade é gratuita.

Programação da Plataforma de Acessibilidade da Bienal

RESIDÊNCIA
Poética da Diferença: criar e conduzir uma oficina de movimento e voz com pessoas autistas
Anamaria Fernandes (MG)
16 a 20 de outubro – 13h às 18h – Sala de Teatro do Porto Iracema das Artes – Fortaleza

OFICINA
Dança, Empoderamento e Diferença / Plataforma de Acessibilidade
João Paulo Lima (CE)
23 e 24 de outubro – 14h às 16h30 – SESC Iracema

SEMINARIO DANÇA E ACESSIBILIDADE
Masterclass: Autismo e autoralidade: encontros e criações
Anamaria Fernandes (MG) e Benôit Le Bouteiller (França)
18 de outubro – 19h30 – Auditório CDMAC – Fortaleza

Roda de Conversa: Corpo e Diferença – O que você é, ninguém pode ser
Cia Giradança (RN) e João Paulo Lima (CE).
Mediadores: Fausto Augusto Cândido e William Pereira Monte – PRODANÇA
25 de outubro – 15h – Auditório CDMAC – Fortaleza

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *