Resultado do Edital Ceará Junino 2016
30 de maio de 2016
Pegação geral do elenco de "Sense8" em SP
30 de maio de 2016

Na última semana um caso que ocorreu na Zona Oeste do Rio de Janeiro chocou o Brasil e o mundo: A história de uma menina de 16 anos, dopada e estuprada por mais de 30 homens. “Homens” que mesmo após cometer um crime hediondo ainda perpetuaram a humilhação da vítima, expondo um vídeo na Internet.

A informação sobre a barbárie teve tanta repercussão e causou revolta em tanta gente, que a presidente afastada Dilma Rousseff, o presidente em exercício Michel Temer, a Organização das Nações Unidas (ONU), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de outras instituições e personalidades nacionais e internacionais soltaram notas de repúdio e pediram mais empenho nas investigações.

Em Fortaleza, a Prefeitura divulgou na sexta-feira (27), em sua página do Facebook, uma nota alertando acerca do fato de que “todos os dias as mulheres são alvos de violentos ataques que ofendem, ferem e, muitas vezes, matam”. Enaltecendo a importância de vencer o medo e não se calar, o órgão municipal pediu união na luta contra a cultura do estupro e lançou a ‪ hashtag #‎FortalezaContraACulturaDoEstupro.

cultura do estupro

O episódio do estupro coletivo mostrou a força e a capacidade de rápida mobilização das mulheres contra a cultura do estupro. Uma atitude linda no meio da barbárie uniu em todo o País famosas como Monica Iozzi, Claudia Ohana, Carolina Dieckmann, Giselle Batista, Sophia Abrahão e Marília Gabriela, e também mulheres anônimas que usaram suas redes sociais para demonstrar a revolta diante do caso e apoio a adolescente violentada.

Saiba mais:

Segundo o CEDIM (Conselho Estadual de Direitos da Mulher), a cada 12 segundos uma mulher no Brasil é estuprada. O número alarmante ultrapassa os de vítimas de homicídio doloso (aqueles com intenção de matar).

O No Pátio lembra que “poderia ser a sua irmã. Poderia ser a sua namorada. Poderia ser a sua mãe, a sua avó. Poderia ser você”. Seja contra a cultura do estupro, em caso de violência contra a mulher disque 180 e DENUNCIE!

Fotos: Reprodução. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *