O homem e a criatividade quando o assunto é sexo
18 de fevereiro de 2016
Gravidez de Thais Fersoza e Michel Teló é anunciada com polêmica
19 de fevereiro de 2016


Por morarmos em um país tropical acabamos tendo que conviver com mosquitos e pernilongos durante o ano todo. Com o perigo constante da epidemia de Dengue, Zika e Chikungunya, transmitidas pelo mesmo mosquito Aedes aegypti, instalar telas em portas e janelas da casa não é o suficiente. É importante adotar medidas simples e eficazes como eliminar os possíveis criadouros e usar repelente para manter o mosquito bem longe.

Mas com a grande variedade de repelentes existentes no mercado, como escolher o mais adequado para cada pessoa? É isso que o No Pátio explica agora para você!

Antes é importante saber que os principais repelentes disponíveis no Brasil são esses três tipos:

– IR3535

– DEET

– Icaridina

Repelente 2

◊ Um repelente para cada um:

O IR3535 é o único repelente permitido para crianças menores de dois anos (e maiores de seis  meses), comercialmente conhecido como Loção Antimosquito Johnson’s. Tem curta duração e deve ser reaplicado a cada duas horas.

O DEET é o repelente mais comum e mais fácil de ser encontrado nas farmácias e supermercados. É um repelente muito eficiente, mas sua duração depende da concentração de DEET no produto. Entre as marcas comercializadas estão OFF, Autan, Repelex, entre outros.

Infelizmente no Brasil a ANVISA só autoriza a venda de repelentes com concentração de DEET de até 15%, o que confere proteção máxima por seis horas (produtos com concentrações de 25-50% estão disponíveis em outros países e são mais eficazes). Algumas versões de repelentes com DEET podem ser usadas por crianças maiores de dois anos (versões “kids”/ infantis), mas tem duração mais curta, de apenas duas horas.

A Icaridina na concentração de 20 a 25% (Exposis) é o repelente de maior duração na pele, conferindo aproximadamente 10 horas de proteção. Seu uso é liberado para crianças a partir de dois anos.

◊ Como aplicar?

O efeito dos repelentes se dá pelo “efeito de nuvem”, ou seja, após a aplicação o repelente evapora e forma uma “nuvem” de aproximadamente 4 cm em volta da pele que repele o inseto. Assim, não é recomendado usar o repelente por baixo das roupas, mas por cima dos tecidos e apenas na pele exposta (braços, colo, pernas, pés).

Pelo mesmo motivo, o repelente é o último produto a ser aplicado na pele. Primeiro usa-se hidratantes, filtros solares, maquiagem, e o repelente sempre por cima de tudo. Mas atenção, todos os repelentes podem irritar as mucosas, portanto, evite aplicá-lo perto de olhos, nariz e boca.

 

Repelente 1

E a Citronela??

Os repelentes naturais como citronela, andiroba e eucalipto tem rápida evaporação e portanto um tempo de proteção ultra-curto, de 10 a 20 minutos. Assim, não são considerados bons repelentes.

As recomendações do No Pátio são baseadas nos produtos atualmente disponíveis e permitidos pela ANVISA no Brasil. Mas é válido reforçar que a sua participação no combate ao Aedes aegypti e outros tipos de insetos é fundamental. Portanto, nada de manter água parada e esquecer o trabalho de prevenção é de todos!

Fotos: Reprodução. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *