6 livros de auto-ajuda que irão mudar a sua vida!
10 de abril de 2018
V Mostra Itinerante de Cinema do Ceará: inscrições abertas
10 de abril de 2018

Para mulheres vítimas de agressão, esquecer o que se passou é impossível. É um trauma que fica marcado para sempre na memória. Porém, para algumas, mais do que lembranças, a dor de ter sido agredida fica marcada também na pele, com marcas e cicatrizes.

E para ajudar essas mulheres, uma jovem tatuadora pernambucana resolveu fazer o que sabia de melhor. Ela começou a realizar um projeto que busca dar um novo significado para as cicatrizes e marcas de agressão através da tatuagem. E o melhor: de forma gratuita.

Fernanda Souza tem 26 anos e mora em Recife. A ideia de transformar cicatrizes em arte partiu de uma experiência traumatizante vivida por ela mesma aos 18, quando foi abusada sexualmente. Em entrevista ao portal G1, ela contou que, na época, não teve coragem de pedir ajuda e hoje, gostaria de ajudar mulheres que passaram por situações violentas como ela.

Motivada pelo Dia da Mulher, a tatuadora então resolver oferecer, gratuitamente, tatuagens para mulheres vítimas de agressão cobrirem as marcas e cicatrizes. inicialmente, Fernanda teve medo de que sua ideia mais atrapalhasse que ajudasse. Ela temia que os desenhos fizessem a mulher lembrar para sempre que ali havia uma marca de agressão. Mas não demorou até que ela se desse conta que a coisa n]ão era bem assim. “Penso que seria muito mais satisfatório ter uma tatuagem ao invés da marca. As pessoas podem perguntar o que aquele desenho significa e você pode responder sem constrangimento, diferente de quando perguntam como você conseguiu a cicatriz”, declarou ela ao portal.

O projeto, inicialmente, seria realizado apenas durante o mês de março. Porém Fernanda foi surpreendida por um sem número de histórias de agressão e violência. Mulheres com as mais diferentes histórias – todas fortes e emocionantes – chegaram até a tatuadora, que resolveu estender a campanha para o mês de abril.

Bonita iniciativa. Quem compartilha a força também se fortalece, não é mesmo?

Fotos: Reprodução/Marlon Costa/Pernambuco Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *