Estreias de dezembro nos cinemas
7 de dezembro de 2017
VERÃO – Conheça sete resorts brasileiros com tudo incluído!
7 de dezembro de 2017

Com o intuito de ocupar os espaços da cidade com a voz e a cara da juventude, gerando formação, a difusão e o intercâmbio de novos protagonistas das artes na cidade, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e os coletivos que integram o projeto “É o Gera” fazem a abertura oficial da programação proposta para o Edital de Ocupação Cultural do Teatro Carlos Câmara, neste sábado, 9/12, com o Afoxé Acabaca, Slam Gentil, GhettoRoots e a DJ Liz. O projeto, com duração de 7 meses,  surgiu a partir do diálogo entre profissionais que atuam na cena cultural de Fortaleza e os coletivos Servilost (Serviluz), Coletivo Natora (Carlito Pamplona/Pirambu) e Ocupa Cajueiro (comunidade do Dendê, Edson Queiroz). Toda a programação é gratuita.
O Afoxé Acabaca se apresenta às 17h. Tri Campeão do Carnaval de Rua de Fortaleza, o grupo foi fundado em 13 de maio de 2006, com intuito de divulgar as religiões de matriz africana e lutar contra todo tipo de preconceito e vem preencher um espaço no meio cultural cearense. A programação segue às 18h com o grupo Slam Gentil, que surgiu em março de 2017, através de um encontro com alguns poetas de Fortaleza que acompanhavam os vídeos do Slam Resistência (SP) e decidiram se reunir na Praça da Gentilândia para fazer um evento semelhante. O projeto foi crescendo ao longo desses meses, e já estará realizando a sua 9° edição no mês de dezembro, dentro da programação do É O GERA.

 

Da favela do dendê vem a mistura a cultura reggae com a linguagem urbana da cultura hip-hop,captando a essência dos guetos de forma diversificada. Para contar a história de qual é esse sentimento, Carolina Rebouças, Gabriela Savir, Roni Flow, Rodrigo Revolução se unem numa só poesia, em um espetáculo com músicas autorais e estilo diversificado apresentado pelo GhettoRoots, às 19h. Para fechar a noite, a DJ Liz, do Coletivo Natora, se apresenta. Com apenas 21 anos, Liz iniciou seu trabalho sendo convidada e incentivada a participar do sarau “O poder das Manas” como colaboradora social, onde surgiu a ideia de tocar músicas cantadas por vozes femininas.

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *