Vamos de música com o projeto “O Som da Barra”?
16 de setembro de 2021
Sebrae e OAB discutem flexibilização da LGPD para os pequenos negócios
16 de setembro de 2021

5 casos em que artistas gringos se inspiraram em obras brasileiras

“Como diria Adele, é devagar, é devagar, devagarinho…” Uma polêmica que viralizou nos últimos dias e acabou virando meme foi a acusação de Toninho Geraes, compositor do hit Mulheres, de que a cantora Adele teria plagiado seu trabalho. A música, que foi sucesso na voz de Martinho da Vila, guarda grande semelhança com Million Years Ago, lançada pela britânica em 2015. Mas esse nem de longe foi o primeiro caso em que artistas gringos se inspiraram – e muito! – em músicas brasileiras. Então relembre com a gente outros casos polêmicos de acusação de plágio:

Jorge Ben Jor vs Rod Stewart

Dos casos de plágios envolvendo brasileiros e artistas gringos , esse sem dúvidas é um dos mais famosos. Inclusive, muita gente acredita que Taj Mahal, de Jorge Ben Jor, seria uma versão de Da Ya Think I’m Sexy?. Mas, na verdade, o que ocorrou foi o oposto: o refrão da música de Rod é muito parecido com o famoso teretêtê de Jorge Ben. O brasileiro moveu um processo contra Rod Stewart, que admitiu a “inspiração” e os dois chegaram a um acordo sobre os royalties.

Secos e Molhados vs KISS

Aqui o plágio nem é musical e sim, visual. O próprio Ney matogrosso acredita piamente que o visual com as maquiagens pesadas do grupo gringo foi inspirado no trabalho que ele e seus companheiros do Secos e Molhados faziam no Brasil. O grupo de Ney começou seu trabalho no início dos anos 1970. Na época, um produtor norte-americano fez de tudo para levar o grupo para os EUA, mas não conseguiu. Pouco tempo depois, o mesmo produtor estava envolvido com o início da carreira do KISS. Mera coincidência, será?

artistas gringos

Carlos Lyra vs Deep Purple

Os britânicos do Deep Purple ainda hoje são reverenciados no mundo do rock com seus acordes e riffs marcantes. Smoke in the Water, lançada em 1972 é, sem dúvidas, um dos maiores hits do grupo. Porém, em 1964, uma jovem Nara Leão cantava uma música composta por Carlos Lyra chamada Maria Moita. E, curiosamente, a introdução de ambas as músicas são basicamente iguais. Vale lembrar que antes da música do Deep Purple ser lançada, uma versão em inglês – mas ainda bossa nova – de Maria Moita também foi lançada. Mas Carlos Lyra nunca falou sobre o assunto, e acabou tudo ficando por isso mesmo.

Vanusa vs Black Sabbath

Quem diria uma Vanusa roqueira, hein? Pois bem, em 1973 as músicas What to Do da brasileira Vanusa, e Sabbath Bloody Sabbath, do Black Sabbath, foram lançadas com meses de diferença. Vanusa lançou a sua primeira e, pouco depois, os gringos vieram uma canção que tem a introdução muito, mas muito parecida com a da brasileira. Porém, neste caso, a própria Vanusa declarou em entrevista que não considera um plágio e que acredita que tudo não passou de uma coincidência musical.

Luiz Bonfá vs Gotye

Em 2012 não se ouvia outra coisa além do xilofone de Somebody That I Used To Know. O cantor belga fez fama em todo o mundo, mas tinha um detalhe que nem todo mundo notou na hora. Acontece que a música traz em sua base duas importantes notas na mesma escala da música Seville, lançada em 1967 e composta pelo violonista Luiz Bonfá. O caso foi parar na justiça e Gotye admitiu a “inspiração”. Então ele entrou em acordo com a família e resolveu pagar os royalties e dar os devidos créditos na sua composição.

Mas gente, esses artistas gringos acham que podem se inspirar livremente em tudo por aí? E então, vocês acham foi foi plágio ou coincidência musical?

Fotos e vídeos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *