Concurso dos Novos do DFB Festival celebra 360º de moda e talento
6 de abril de 2018
Steal the look – 5 lições de estilo de Nicole Pinheiro
6 de abril de 2018

Personagem de uma das histórias mais regionais do nosso Ceará, não seria estranho se o Bode Iôiô ganhasse o mundo com sua ousadia. Em exposição no Museu do Ceará, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, ele será tema do enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti em 2019. O animal, figura importante no nossa história, ganhou fama que acabou sendo eleito vereador nas eleições de 1922, em um ato protesto da população. A Tuiuti pegará esse gancho e trará um desfile sobre a importância do voto consciente. A escola de samba fará o anúncio oficial do enredo, ainda sem nome, nesta sexta-feira, 6. A proposta é manter a essência crítica na temática, como foi neste ano com alas que retratavam a escravidão e faziam fortes críticas à política brasileira e à reforma trabalhista.

“Chegado à capital pelas mãos de flagelados da seca de 1915 – aquela eternizada por Rachel de Queiroz –, o personagem desta história fora comprado provavelmente por caridade pelo dono de uma das muitas firmas de importação e exportação que se espalhavam pela capital cearense que pretendia ares de modernidade naquele início de século. E foi justamente pelas ruas dessa Fortaleza que se desejava chic que o bode, símbolo de uma cultura sertaneja que se queria suplantar, ganhou fama, em suas idas e vindas diárias da Praia do Peixe ao Centro da cidade. E é daí que se acredita vir seu famoso nome, Bode Ioiô.

Conta a memória de Fortaleza que o caprino tinha livre trânsito pela cidade, sem ser incomodado pelos fiscais da Intendência, adentrando vários estabelecimentos comerciais, sobremaneira os Cafés, onde desfrutava do carisma de muitos e de vários tipos de regalias. Era um bode boêmio! E nessa boemia nosso personagem teria de tudo aprendido: a tomar cachaça, a andar de bonde e até a levantar a saia das moças. Conta-se mesmo que chegou a ser eleito vereador da cidade, em uma época em que o voto acontecia em cédulas de papel e os protestos políticos realizavam-se muitas vezes através da galhofa”, afirma Carla Vieira, diretora do Museu do Ceará.

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *