Dragão do Mar celebra Dia do Folclore com lançamento de documentário
19 de agosto de 2020
As 10 celebridades que ainda ganham muito dinheiro mesmo depois de mortas
19 de agosto de 2020

 

Os pais olham para os filhos sempre com muito orgulho. Em muitos momentos, é comum os pais acharem que eles têm desenvolvimento mais rápido e são mais espertos do que as outras crianças. No entanto, cada grupo, de acordo com sua faixa etária, possuí necessidades, vontades e características específicas. Por isso, preocupados com o futuro dos filhos, muitos pais sentem dúvidas em decidir o momento certo para estimular a criança em atividades extracurriculares ou dar mais liberdade aos que já são adolescentes, por exemplo.

Antes de definir quando acrescentar atividades à rotina, falar sobre assuntos delicados, permitir o namoro ou idas à balada, é importante levar em consideração o grau de maturidade dos filhos. Para te dar uma mãozinha nessa questão, nossa redação fez uma lista bem especial que indica a idade ideal para iniciar dez hábitos e atividades, vamos conferir?

Primeira Infância

No Brasil, consideramos que a Primeira Infância acaba quando a criança completa seis anos de idade. Este é um período muito importante para o desenvolvimento dos pequenos e as experiências dessa época são relevantes para o resto da vida.

– Tirar a fralda: Entre os 24 e 32 meses

Segundo pediatras, um dos indícios de que chegou a hora de iniciar esse processo é que nesta fase as crianças começam a sinalizar quando querem fazer xixi ou cocô.

filhos 2– Comer sozinho:

Não existe uma idade certa ou pré-determinada para a criança começar a comer sozinha, o que deve ser observado é a sua maturidade, se ela já consegue segurar a colher e levá-la à boca. Essa atitude deve partir da criança e deve ser estimulada, pois o fato de comer sozinha está relacionado à sua autonomia e independência, que estão começando a aparecer.

– Esportes recreativos:  A partir dos três anos

A partir dessa idade as atividades esportivas já estão liberadas, já que antes disso a criança ainda não está apta a coordenar alguns movimentos e não tem muita capacidade para manter a atenção na mesma tarefa por muito tempo. A modalidade mais indicada é a natação, que estimula o desenvolvimento muscular e cardiorrespiratório da criança.

Saindo da fase da primeira infância, as crianças estão mais travessas,  já possuem maturidade para assimilar regras e o seu  desenvolvimento permite movimentos mais elaborados, como os exigidos no futebol, no tênis e no vôlei, por exemplo.

– Ir ao teatro: A partir dos cinco anos

Esse programa é mais dinâmico e interessante para as crianças do que ir ao cinema, pois os deixam mais tempo atentos e elas já entendem que não podem atrapalhar as outras pessoas.

Adolescência:

– Ficar sozinha em casa: A partir dos 13 anos

Nessa idade a criança já pode ficar sozinha por alguns períodos, pois tem autonomia para tomar decisões básicas e executá-las, como preparar um lanche ou pedir ajuda pelo telefone, por exemplo. Deixar algumas orientações antes de sair de casa é sempre importante.

filhos 3– Ir à balada:

Vale o bom senso. Os pais devem levar em conta onde será a festa, quem são os frequentadores e se há adultos supervisionando o local. Se todos os amigos do seu filho costumam ir, deixá-lo de fora pode trazer frustração e problemas de identificação grupal.

– Viajar com os amigos: A partir dos 13 anos

A partir dos quatro anos, os pequenos já podem frequentar acampamentos na companhia de monitores e outras crianças (como irmãos e colegas de escola). Realizar viagens longas pode ser muito cansativo para os mais novos, então o ideal é esperar eles completarem 13 ou 14 anos. Antes de autorizar seu filho a viajar sozinho, é fundamental se informar sobre o destino, a estrutura do local e os amigos que o acompanharão no passeio.

– Falar sobre sexo: A partir dos seis anos

Antes disso as crianças ainda não têm conceitos específicos sobre sexualidade, mas já fazem perguntas e são curiosas, então responda de forma simples e objetiva, sem rodeios e muitos detalhes. Quanto mais velha e madura a criança for, maior a capacidade de compreensão e, assim, pode-se aprofundar nas explicações. Mantenha o canal aberto para a comunicação e nunca deixe uma pergunta sem resposta. Caso seja pego de surpresa e não saiba o que dizer, seja honesto: diga que não sabe, mas que vai se informar a respeito e que lhe dará retorno.

 

filhos 4– Conversar sobre a morte: Depois dos 12 anos

De acordo com a psicóloga Triana Portal, só a partir dos 12 anos a criança é capaz de entender conceitos subjetivos sobre o tema, mas a curiosidade vem antes disso. O adulto deve usar situações do cotidiano para explicar de forma concreta como a morte acontece. Evite explicações abstratas de cunho religioso ou fantasioso. A criança leva tudo ao pé da letra, e dizer coisas como “vovó foi viajar” ou “fulano está no hospital” pode confundi-la e levá-la a crer que todos aqueles que forem viajar nunca mais voltarão ou então que o seu cãozinho de estimação poderá voltar algum dia.

– Namorar:

Não existe idade certa e de acordo com a psicóloga Cybele Micai, a idade ideal é a da maturidade, o que muda de acordo com cada pessoa. Proibir não é o ideal, o que deve ficar claro para a criança ou adolescente é que namorar exige responsabilidade e envolve sentimento.

As crianças evoluem muito rápido e a mesma faixa etária acaba tendo diversas fases de maturidade. Os pais também devem ficar atentos às mudanças de valores nos tempos pós-modernos, já que suas referências da infância  obviamente não são as mesmas da infância dos filhos.

Cada geração tem os seus valores e na hora de conversar ou acrescentar atividades na rotina da criança é importante levar isso em consideração. No mais, o importante mesmo é sempre ficar atenta a evolução do seu filho e lhe dar os estímulos necessários para crescer com independência, porém sem nunca deixar de cuidar com carinho. Isso sim é que é amor! 😉

 

Fotos: Reprodução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *