Kate Moss lança linha de joias inspirada em suas tatuagens
28 de setembro de 2011
Cientista brasileiro cria droga para controlar autismo
28 de setembro de 2011


Gosta de música? Então, o No Pátio traz para você a história de Miles Davis – uns dos músicos de Jazz mais influentes do século XX. Amava tudo o que era belo na música, artes, moda e nas mulheres; assim era o grande artista que esteve na vanguarda de praticamente todos os movimentos do Jazz. Não tem como perder!

Miles Davis viveu em St. Louis até o final da adolescência. Nascido em uma família relativamente rica, teve o primeiro contato com a música aos 13 anos, por incentivo do pai que o presenteou com um trompete e algumas aulas com Elwood Buchanan – um conhecido trompetista local. O artista, depois de uns anos, revelou que o pai escolheu o instrumento para irritar a esposa – mãe de Davis e excelente pianista de blues – que odiava o som que o trompete emitia.

Buchanan fez questão de ensinar ao aluno a necessidade e a importância de tocar o trompete sem o vibrato, o que fez com que o grande nome do Jazz levasse um timbre limpo por toda a trajetória na música. Aos 19 anos, deixou St. Luis e foi morar em Nova York. Davis foi uma surpresa para os músicos mais experientes! Isso porque o artista não se contentava em focar em apenas um ponto. A cada cinco anos, em média, ele mudava radicalmente seu estilo musical. Ia de Jazz cool e modal Jazz a orchestral Jazz. E as ousadias musicais bem sucedidas não param por aí! Miles Davis foi o primeiro músico de Jazz a fazer uso de instrumentos eletrônicos. Ele tocava hits de Prince, Michael Jackson e Cyndi Lauper. Já deu para perceber que a capacidade de renovar a própria arte era imensa!

Explorar todas as possibilidades da música ao máximo era uma das coisas que Miles mais sabia fazer. Talento e ousadia caminhavam lado a lado! Essa ousadia não era restrita apenas ao campo musical. As roupas também eram diferenes e foram uns dos marcos na carreira de Miles. Os blazers GG eram o sucesso e a opção preferida do músico nos anos 1940. Já na década de 1950, os ternos italianos super bem cortados e feitos sob medida ou as calças de couro eram as marcas registradas do grande nome do Jazz. Versace, Yamamoto e Koshin Saton viraram sensação para Davis nos anos 1980.

Romances com beldades e famosas marcaram a vida de Davis. Entre elas, Jeanne Moreau, atriz de origem francesa e a primeira atriz não americana a aparecer na capa do TIME, e Cicely Tyson, segunda atriz de origem africana a ser indicada ao Oscar, na categoria de melhor atriz principal. Ficou super conhecida por participar na minissérie Roots, em 1977. Foi casada com Davis de 1981 à 1988.

Ao lado de Jeanne Moreau

 

Em conversa com Cicely Tyson

Artista multifacetado, Davis foi sucesso também nas ilustrações – algumas que foram parar, inclusive, em capas de seus álbuns, como Star People (1982) e Amandla (1989) – o trabalho foi tão positivo que até mesmo gerou exposições em Nova York. Os dons de Miles Davis foram revelados também no cinema ao compor a trilha sonora de “Ascensor para o Cadafalso”, de 1958.

Uma das marcas mais fortes de Miles Davis era o modo como tocava o instrumento: não era sorridente nem interagia com o público. Como se no ambiente não existisse nada nem ninguém além dele e do trompete. Miles Davis, que foi sem dúvida, um dos nomes mais bem sucedidos da história do Jazz e um dos artistas mais inovadores, faleceu em 1991, em Santa Mônica, em decorrência de uma pneumonia. Mas, para aliviar a saudade, ficaram as grandes e inesquecíveis obras. Uma grande contribuição para o Jazz.

 

Fotos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *