Conhece a “Lei do Sinal de Respeito”?
25 de julho de 2014
A nova loira do pedaço
27 de julho de 2014

O garoto do Blues

Considerado a raiz do Rock, o Blues é um dos ritmos negros mais tradicionais dos Estados Unidos. Conhecido por sua cadência e pelo seu ritmo marcado, além dos solos eletrizantes de guitarra, o Blues envolve de uma forma sensual. Sabe aquele ritmo que vai bem desde a festinha com a galera até para o momento a dois? Certamente é o Blues.

Aqui em Fortaleza, certamente um dos maiores bluesman que temos é o jovem Artur Menezes. Com apenas 29 anos, ele já gravou dois EPs, dois CDs, além de ter participado em vários outros discos de artistas como Lucinha Menezes, sua mãe, e das bandas De Blues em Quando e Blues Label.

Ele toca guitarra desde os 11 anos, mas começou a tocar profissionalmente em 2001 apenas. De lá para cá, não parou. Participou de vários festivais pelo Brasil, dentre eles, todas as edições de 2004 a 2010 do Festival de Jazz & Blues de Guaramiranga, do II e III Lençóis Jazz & Blues Festival (MA), em 2010 e 2011; do Ibitipoca Blues (MG), em 2011; do Garanhuns Jazz Festival (PE), em 2011, dentre outros. Um dos pontos altos de sua carreira no Brasil foi a participação no projeto Sesc’n Blues – Bluseiros do Brasil, que reuniu grandes nomes do Blues na maior jam session do país. A turnê percorreu os SESCs de São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Sorocaba, todos em SP.

Um de seus maiores sucessos é Early to Marry, uma mistura de Blues com música regional que gruda na cabeça e anima a qualquer hora. Confira no clipe abaixo!

[youtube width=”850″ height=”344″]https://www.youtube.com/watch?v=ko8LDJDy3a0[/youtube]

O sucesso deste cearense e o talento são tamanhos, que não demorou para a carreira internacional ter início. Lá fora, Artur já tocou ao lado de grandes nomes do Blues mundial, como ninguém menos do que Buddy Guy. Inclusive, na turnê que Buddy fez no Brasil, foi Artur quem fez os shows de abertura. Mas talvez um dos pontos mais interessantes da carreira recente dele foi a participação no TEDx, que aconteceu em Fortaleza, na qual ele não só tocou, mas também palestrou para os participantes. Confira abaixo:

[youtube width=”850″ height=”344″]https://www.youtube.com/watch?v=p7J6y6mpdeA[/youtube]

E agora, nosso “garoto prodígio do blues”, como já foi chamado, está mais uma vez partindo em turnê pela Europa, com três shows marcados agora no finalzinho de julho: dois em Londres e um na Estônia, no Augusti Bluus Festival.  Confira na entrevista a seguir, tudo sobre a carreira, as turnês e claro, seu mais novo disco, o #2.

No Pátio: Em que momento você decidiu sair do barzinho e se dedicar mesmo a carreira de músico, investindo em shows e turnês?
Artur Menezes: Foi um processo gradual, demorado e natural. Aos poucos a qualidade do trabalho foi aumentando e o reconhecimento também. Até um ponto que pude perceber que o menos é mais. Com menos shows, gera-se mais expectativa e exclusividade. Dessa maneira, os shows tem mais público e tem mais valor. Comecei a fazer isso em 2010 quando me mudei para São Paulo. O chato é que, por mim, eu tocaria todas as noites!

NP: Como você tem planejado sua turnê internacional?
Artur: Os shows são fechados de duas maneiras. A primeira é enviando meu material aos locais (minha produtora vem fazendo isso com muito esmero); a segunda é quando os produtores de festivais/casas de show entram em contato comigo. Eles acabam conhecendo o meu trabalho através de matérias, entrevistas, vídeos e/ou indicações.

NP: Dos shows que você fez fora do país, qual o mais inesquecível?
Artur: Com certeza os shows em Chicago. Em especial a Jam Session com o Buddy Guy no Legends. Mas também foram excelentes os shows na Argentina e no México.

NP: Você esperava ter esse reconhecimento ainda assim, tão jovem, e ainda mais vindo de um Estado reconhecido pelo forró e com pouca tradição no Blues?
Artur: Não esperava. Creio que pelo fato de não pensar muito nisso. Apenas faço música naturalmente e com muito carinho e amor. É o que realmente me emociona e me toca. Quando as pessoas veem verdade no que você faz se identificam e apoiam. Sou muito grato por esse reconhecimento e carinho. Apenas acredito que as coisas seriam mais fáceis e rápidas com algum apoio. Infelizmente isso não vem acontecendo.

NP: Qual a sensação de participar de um festival como o Augusti Bluus?
Artur: Estou muito empolgado, feliz e ansioso. Ser um dos headlines de um festival que já chega na sua 21ª edição é motivo de muito orgulho. Vi uns vídeos e fotos do festival. É maravilhoso! Acontece em um castelo medieval. Estamos preparando um show bem pra cima e vai ser muito massa!

NP: Fazendo uma retrospectiva, como você avalia sua carreira?
Artur: Sou grato com tudo que vem acontecendo, “but ‘I’m Never Satisfied'”. E acho que isso é bom. O fato de nunca estar nunca satisfeito faz com que você tente cada vez mais crescer e se superar.

NP: Você está com cd novo. Fale um pouquinho desse novo trabalho pra gente!
Artur: O “#2” é uma aceitação do que sempre quis fazer mas não tive coragem. Mesclar o blues com vários outros estilos, sem aquela obrigação de ser tradicional. Isso também foi bem natural e se aplica não só à música, mas também ao estilo. Nada de chapéu e botas (Texas style) ou paletó e gravata (Chicago style). Gosto de me vestir do jeito que me sinto bem e que tem a ver com a minha idade. O “Early To Marry”, meu primeiro disco solo, já tinha um pouco dessa mistura, mas de forma bem tímida. O segundo disco vem assumindo esse lance do blues moderno, com influências de vários estilos. Sem contar que ele é bem mais maduro que o anterior, pois acompanhei todo o processo de composição, ensaios, pré-produção, gravação, mixagem e masterização – ao contrário do “Early To Marry” que foi praticamente todo feito em estúdio, na hora das gravações.

NP: Qual a intenção de misturar o regional com o Blues em algumas músicas como a famosa Early to Marry?
Artur: Não tem exatamente uma intenção. É apenas o reflexo das coisas que gosto, dessa mistura de estilos que caracteriza a minha sonoridade.

NP: Você prefere levar o Blues do Ceará para o Mundo ou trazer do Mundo para o Ceará?
Artur: Pode escolher os dois?! Rs…

Não tem como não admirar o trabalho dele, não é mesmo? Agora, é só ficar de olho na agenda do moço e esperar o próximo show dele aqui pela terra natal, não é mesmo? Você pode acompanhar todas as informações sobre o trabalho deste grande cearense na Página do Facebook e pelo site dele.

 

Fotos: Reprodução/Youtube

0 Comentários

  1. Muito bonita e reportagem, parabéns! Quando ele começou a tocar pra valer ainda menino, eu tomei um susto… nas apresentações ele se transforma, domina, brilha…a musica dele é verdadeira expressiva, melodiosa e a voz é de um timbre belíssimo…pronto falei!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *