Dois jovens de Sobral são premiados na OBMEP
22 de julho de 2015
Sustentabilidade ganha força no Senado
22 de julho de 2015

Programa de Redistribuição Alimentar de Excedentes quer garantir destinação de sobras alimentares


Muito se discute sobre o que fazer com os alimentos que sobram de feiras e mercados. Alguns defendem que esta sobra não serve para o consumo humano e que ela deve ser colocada no lixo. Já outros defendem que há muito o que reaproveitar e que estas sobras poderiam matar a fome de muitas pessoas que não tem como se alimentarem. E deve vir mais polêmica por aí.

As sobras de alimentos provenientes de mercados, supermercados e hipermercados poderão passar a ser distribuídos para entidades assistenciais do Estado do Ceará. É o que propõe um projeto de indicação de autoria do deputado Agenor Neto (PMDB), em tramitação na Assembleia Legislativa.

O Programa de Redistribuição Alimentar de Excedentes garantiria o reaproveitamento alimentares perecíveis e não perecíveis aptos para reaproveitamento, de acordo com parâmetros e critérios reconhecidos internacionalmente, que garantam a segurança em todas as etapas do processo de produção, transporte, distribuição e consumo. O texto prevê ainda a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para os alimentos que forem doados.

alimento02De acordo com o projeto, poderão receber os alimentos as entidades que cuidam de populações carentes, em situação de pobreza ou de exclusão, além das que tratam dependentes químicos.

Na justificativa, o deputado Agenor Neto informa que enormes quantidades de alimentos são desperdiçadas diariamente por diversas razões, como falta de logística, planejamento, falta de consciência social, entre outras.

O parlamentar enfatiza que o Programa de Redistribuição de Alimentos Excedentes tem a finalidade de racionalizar e otimizar a distribuição, possibilitar o acesso aos alimentos às pessoas e entidades que deles necessitam.

“A adoção da nossa proposta representará um avanço nas conquistas sociais das pessoas com deficiência alimentar e nutricional, facilitando-lhes o acesso ao alimento”, defende o deputado.

E você, o que pensa sobre isso? Estas sobras devem realmente irem parar no lixo? OU você acha que há, sim, como reaproveitá-las Já parou para discutir com seus amigos sobre isso? Há bons argumentos dos dois lados.

 

Fotos: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *